Funcionários de escola reivindicam profissionalização em todo o país

Site Rondoniadinâmica
Foto: Rosiane Vargas

Foto: Rosiane Vargas

A Formação e Valorização dos Trabalhadores em Educação, IV eixo de discussão prevista na programação da Conferência Nacional de Educação (Conae), esteve na pauta hoje (30) no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, tema que mereceu a formação de diversos colóquios, entre eles “Funcionários de Escola e Pessoal Técnico-Administrativo: Formação e Identidade Profissional”, coordenado pela presidente da Comissão de Educação do Senado, senadora Fátima Cleide (PT-RO).

Autora de projeto sancionado pelo presidente Lula em agosto do ano passado (lei 12014), e que tratou de definir na Lei de Diretrizes e Bases da Educação quem são os profissionais de escola que devem ser considerados educadores, a senadora Fátima Cleide disse que agora o grande desafio é profissionalizar em todo o país os funcionários de escola. “Com a lei, eles passam a ser considerados educadores desde que devidamente habilitados, com funções reconhecidas no nível médio ou com ensino superior”, disse a senadora.

No colóquio, do qual participaram como debatedores o representante da Confederação Nacional dos Trabalhadores de Ensino (Contee), João Batista da Silveira e do Departamento de Funcionários de Escola da CNTE, José Carlos Bueno do Prado, os funcionários de escola reclamam da falta de identidade no exercício da função. Eles relataram a existência de nomenclaturas diversas para uma mesma função – auxiliar de serviços gerais; vigia; auxiliar de vigilância ou vigilante são utilizados para a função de segurança.

“Com a profissionalização, você acaba com essa questão da falta de identidade. É muito importante a profissionalização para acabar com os conceitos diversos que são definidos por gestores dos municípios e Estados brasileiros”, disse José Carlos Bueno.

Ele registrou que a luta pela formação e profissionalização dos trabalhdores de escola se dá desde 1995. “Em 15 anos ocorreram muitos avanços, como o Programa Profuncionário, implementado pelo governo federal para formar trabalhadores da educação, mas infelizmente muitos Estados não querem assumir esse compromisso também”, disse.

A aprovação da Área Profissional 21, no Conselho Nacional de Educação, que instituiu a habilitação de Técnico em Alimentação Escolar, Multimeios Didáticos, Gestão Escolar e Meio Ambiente e Manutenção de Infraestrutura Escolar é também outra conquista dos trabalhadores de escola.

data: 30/03/2010

Fonte: Site Rondoniadinâmica

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s